terça-feira, 3 de maio de 2016

As crianças nos escolhem


Foi assim com o Estevan. Tenho certeza de que ele nos escolheu. Escolheu a mãe e o pai dos quais quis nascer.

Eu nunca fui adepta á contraceptivos hormonais. Um mês de experiência com 16 anos bastou para que eu nunca mais quisesse tocar no assunto.

Não sendo adepta dos contraceptivos hormonais e não sendo conhecedora de outros métodos, fui eterna usuária da camisinha, o tal preservativo masculino. Eu sei que ela, além de gravidez, evita DST's e tals... mas não consigo negar, acho um saco. Muito melhor o contato pelo com pele.

O que acontecia esses anos todos é que volta e meia acontecia uma escapadinha, porque período fértil não é só aquele que a gente calcula pela tabelinha. Tabelinha não é nada confiável, podemos sim estar férteis a partir do terceiro dia após o início da menstruação. E aprendi isso agora, depois de mãe, pesquisando sobre percepção da fertilidade e métodos contraceptivos não hormonais, lendo sobre o método sintotermal.

Foram muitas escapadinhas, todas elas fundamentadas na "eficiente" tabelinha, e nenhum resultou em gravidez. Não era o momento certo, nem a conjunção esperada por nenhum ser esperando um útero para se hospedar.

Estevan esperou um período fértil  após um ciclo infértil, sem ovulação e, consequentemente, sem menstruação.

Esperou que eu perdesse a timidez  (sim, eu sou tímida. Não, eu não sou tímida. Eu vivi boa parte da minha vida mergulhada numa cultura machista, que me ensinou que mulheres devem ficar lá, sentadas, esperando a boa vontade do rapaz em lhes tirar para dançar. E isso ainda reverbera em várias partes do meu corpo) e convidasse o pai dele para dormir lá em casa.

Esperou um sexo gostoso no fim da madrugada.

Esperou que uma camisinha se espatifasse no  momento em que ela mais precisava estar inteira.

E não se abalou em nada com os efeitos da pílula do dia seguinte.


Por essas e outras eu tenho certeza de que ele nos escolheu. Escolheu a mãe e pai dos quais queria nascer. Nos escolheu porque algo tem a aprender com a gente. Nos escolheu porque tem muito mais a nos ensinar. 
Que tenhamos coração aberto para aprender.